× Capa Meu Diário Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
POETIZANDO pra NÃO ir PIRANDO
Sentimentos, Poesias...Percepções ...São todos os dias
Textos
A torre
A torre Ela era feita de mármore furtacor. Sua estrutura reluzia ao marcar do sol e fluorescia ao raiar da lua. Tinha em sua fronte um imenso portão de madeira viva: pau ferro, forte, duro, crescente.
Ao entrar ali, se você conseguisse a escadaria que levava ao topo crescia por tantos desejos que possuía. Quanto maior a cobiça, menor se tinha que ter preguiça. Quanto maior a necessidade, maior deveria ser sua força de vontade.
A torre chamava-se torre infinita.
Ela era cumulativa. Acumulava o desejo da sociedade. Estava agora a atingir as alturas. Subia acima da estratosfera. Rompia as camadas de ozônio.

À cada degrau que nela se subisse poderia se ver a amplidão do mundo. Vê-se de lá as montanhas e os desertos. Os caminhos da água e sumidouros, que apontavam a existência de cavernas. Havia janelas por onde se ouvia os uivos do vento. E as vezes mais parecia uma cantoria.
A cantoria suava uma antiga profecia.
Ao escutá-la  tinha -se a sensação de que a torre era uma vela, que navegava num mar de terra.
Ora dessas, movia-se como um pêndulo....essa era a sensação. Uma nova dimensão.  Um portal e medidor  de  tempo. E diziasse que quando a torre se agitasse a ponto de tombar, o mundo se principaria em uma ruína.
Fla Vinha Valença
Enviado por Fla Vinha Valença em 26/05/2021
Alterado em 26/05/2021
Copyright © 2021. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários