× Capa Meu Diário Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
POETIZANDO pra NÃO ir PIRANDO
Sentimentos, Poesias...Percepções ...São todos os dias
Textos
As ultimas áreas verdes.De Sergio Cabral e Eduardo Paes, o Rio não aguenta mais.
De  Sergio Cabral e Eduardo Paes, o Rio não aguenta mais.
De  Sergio Cabral e Eduardo Paes, o Rio não aguenta mais.
De  Sergio Cabral e Eduardo Paes, o Rio não aguenta mais.
De  Sergio Cabral e Eduardo Paes, o Rio não aguenta mais.


A primeira década do século XXI, em época de Aquecimento global e caos, o futuro esta sendo rifado, com a entrega no presente momento das “ultimas áreas verdes” a produção industrial, às produções agrícolas monocultoras de soja ou cana, aos condomínios luxuosos e segregadores.
Longe de justiça social e ambiental, distante da produção de igualdades e com o discurso de conciliar o inconciliável... o eco-desenvolvimentismo dá continuação ao velho projeto imperialista e colonizador, o do mundo desenvolvido sobre os chamados países “em desenvolvimento” e os ditos subdesenvolvidos.
Para falar de POLITICA AMBIENTAL e demagogia olhemos para o Estado e o município do Rio de Janeiro.... o governo do SERGIO CABRAL – Pra ficar lega! Lembra (interrogação) e o governo do Eduardo Paz – o Rio pra valer

Espaços periféricos estão passando por aumento do valor do solo.No centro da cidade maravilhosa bairros estão sendo revitalizados. No interior, espaços peri-urbanos de ritmos lentos e sazonais, passam a guardar Distritos Industrias, portos gigantescos, pólos petroquímicos.
Esses processos guardam em si aspectos comuns como a expulsão de moradores locais , seja pela subida de alugueis, seja por um decreto de utilidade publica provocando desapropriação
Observemos que diferentes obras acontecem privilegiando a alocação de recursos aqui ou acolá... e que nesse acontecimento há vantagem de grupellhos - construtoras, consórcios, negócios.Enriquecimentos ocorrem com a ajuda do estado (seja Estado ou munincípio), em detrimento de um povo assolado por empobrecimento, injustiças, violências.
Em detrimento dos cuidados que se deveria ter com a vida comum das pessoas, nossa vida real o estado gasta BILHÕES na COPA.
Ser um município sem tratamento de esgoto e uma coisa muito seria. Mas se o assunto e AGUA. A conversa tem que mudar de TOM ( E não falo do Jobin).
Não receber água tratada e encanada é o caos. Quer dizer, não só caótico, mas primitivo, medieval.
Medieval (interrogação. É medieval. Escutei outro dia na rádio que os dados de crise energética em relação a energia e água estão guardados num obscurantismo quase que medieval, mas que todavia, estar passando por racionamento do básico do básico do básico são de fatos elementos históricos. Assim como o é o ANALFABETISMOPOLITICO.A apatia pela política vem de um profunda  ignorância, escutei também outro dia na radio. Uma reportagem falava que tratava-se de uma herança dos tempos de ditadura.
Tempos de ditadura.... o que seria isso afinal. Aquele tempo em que se fosse para rua reivindicar direitos ou tomaria porrada ou seria preso..... Como isso não acontece hoje em dia – não e mesmo (interrogação), não posso deixar de ir para rua gritar contra essa sacanagem.
O seu CABRAL, o seu CABRAL você ta fazendo mal.
E a “entorpecencia” de um povo alimentados a base de Big Brother e pão com ovo, cerveja e futebol.... só pode ficar “mol”...mal...etc e tal



  
Encontrar o verde por ai, com seus pássaros, seus silêncios, seu vazios... ME FAZ BEM. E A VOCÊ (interrogação)
Mas o que vejo diante do meus olhos
“ do Oiapoque ao Chui “  do corre corre citadino

O que fazemos com o ultimo tesouro territorial verde de cada município (interrogação)


GESTÃO AMBIENTAL- PAPEL ANIMAL DO ESTADO -  Como um tigre a devorar uma vitima o Estado come as ultimas áreas verdes que resta


Escrito em 2016
Fla Vinha Valença
Enviado por Fla Vinha Valença em 22/05/2020
Comentários