× Capa Meu Diário Textos Áudios Fotos Perfil Livros à Venda Livro de Visitas Contato Links
POETIZANDO pra NÃO ir PIRANDO
Sentimentos, Poesias...Percepções ...São todos os dias
Textos
Até quem sabe um dia
Até quem sabe um dia
Em um quarto escuro, sagrado, dormiu o profano.
Agitava-se um corpo por dentro. Ardia-se
Desejava-lhe. Tremia-se. Ocultava-se, mas há chama ...
Espreita-a. E não queres?!!!! Então chama-a.
Não, não. Eu diria: Não queres!
Mas pergunto por que então tanto motivo para palpitação!?
Não sabe. Pensou: é isso!
E como ímã ... chamou-a para perto de si. Chamou-a uma terceira vez.
E por fim... fez. Veio. Aninhou-se. Gravitou na essência de seu cheiro, esperou pelo primeiro movimento dos músculos. O vibrar da pele a refrear-lhe o impulso de posse.
Tomou-lhe o corpo como teu. Saiu de si, mordendo-lhe as mamas sem pena. Puxando-lhe os cabelos.
Ela avançou. Ele então se recolheu. Não viera preparado para tanto
Ela recolheu-se. Mas já não mais podia adormecer. Pôs-se em decisão pela solidão
E então se pôs a lhe proporcionar a exalação do divino prana. Como um doce beija-flor a apreciar uma bela Azaleia (A azaleia, afinal, pensou com seus botões, só dá floração uma vez ao ano!)
Adormeceu ele. Amanheceu ela.  Que partiria dali reflexiva...até uma próxima vez
FVL
#flaviavalencalimapoeta
Fla Vinha Valença
Enviado por Fla Vinha Valença em 14/08/2019
Alterado em 15/08/2019
Comentários